O aluguel de ações tem a mesma lógica que o aluguel de qualquer outra coisa, como imóveis ou veículos, por exemplo.

A atividade é composta de duas partes: proprietário (Doador) e locatário (Tomador).

Ou seja, um investidor é dono uma ação que a coloca a disposição de outro investidor interessado em usá-la como empréstimo. O acordo consiste em taxa de aluguel, garantias e estabelecimento de prazos que é o vencimento do contrato de aluguel.

Para o proprietário (doador) da ação é interessante pois é uma maneira de aumentar a rentabilidade da carteira de investimentos. Para quem aluga (tomador), é possível atuar de diversas formas, como por exemplo vendendo a descoberto ou fazendo operações de long & short, de forma vantajosa, em ações que possivelmente estariam em queda.

Encontrou sua resposta?